Pular para o conteúdo principal

O Mestre da Palavra

Jesus é o mestre das palavras. Usa-as como ninguém: metáforas, parábolas, hipérboles, ironias... Ele é o próprio Verbo que estava no princípio, fez-se carne e morou entre nós!
Fico admirado com as sacadas que Jesus tem nos seus encontros com as pessoas e seu discernimento quanto ao uso da palavra.
No encontro com a mulher do poço Jesus usa as palavras mais adequadas: “água da vida”, “beber”, “saciar”, “sede”, e assim redireciona a sede física da mulher (de água e de intimidade) para a sede espiritual.
No capítulo 6 de João o Mestre usa as palavras “fome”, “pão”, “comida” quando o interesse da multidão era o pão material. Assim, numa rítmica pulsante cheia de arte, Jesus conduz os ouvintes à necessidade do Pão que dá vida.
Na cura de um cego de nascença (Jo 9) o Poeta Maior usa as expressões “luz do mundo”, “cegos vejam”, “...os que vêem se tornem cegos” como metáfora de uma realidade que tem outros olhos... (“o essencial é invisível aos olhos!”).
Enfim, as imagens criadas por Jesus, os trocadilhos, a poética, tudo indica que o Verbo verdadeiramente se encarnou.
Quando descobri que o antídoto para quem é picado por cobras venenosas é fabricado do próprio veneno da cobra, lembrei de Jesus e sua arte de comunicar!
Lamento dizer que nos falta essa habilidade de “tirar o antídoto do veneno”; de converter o que é mortal naquilo que dá vida; garimpar na palavra ordinária a Palavra rara; enxergar o príncipe no sapo, a Imago Dei no pecador.
Penso que a realidade do mundo, o pecado e a compulsão do homem moderno, ao invés de serem burilados por nós para uso do bem acabam nos driblando, fazendo-nos excludentes e insensíveis, com mensagens piegas e impertinentes que nada têm a ver com os temas, os dramas dos mortais. Ao invés de “encarnarmos” e habitarmos entre os homens, nós nos “desencarnamos” e vivemos nos guetos religiosos; ao invés de nos humanizarmos como fez Deus, nós nos “endeusamos” como tentou o Diabo!
Quem sabe se a compulsão pelo sexo do indivíduo que o leva à pornografia não é no fundo sede de intimidade, de toque humano! Quem sabe se a busca desenfreada do pós-moderno pelo o sucesso não é na verdade sede de ser notado, percebido! E o arrogante o que será que esconde? O que diz o mentiroso, o iracundo, o soberbo, o invejoso? Qual será a “palavra-bússula” dos adolescentes?
Toda pessoa tem sede pelo Transcendente, mas muitos procuram em fontes equivocadas. Em última análise todos buscam Deus, mas não sabem a quem buscam. Creio que nossa missão é redirecionar a sede que o homem tem a partir da palavra que lhe é comum. A própria pessoa nos dará os elementos da parábola a ser contada, da metáfora a ser usada. E então aprenderemos outra exegese – a que não se encontra nos livros...
Esse novo conhecimento, novo estudo, requer também esmero, envolvimento, mas não é uma exegese cartesiana, fechada, linear, fria, com fórmulas gerais. É contingente, pulsante e humana. Necessário é chegar junto, tocar, ter olhos para ver, ouvidos para ouvir, braços para abraçar e coração para sentir.
Não entendo outra maneira de fazer teologia senão essa que o Mestre nos ensina: conviver, encarnar, humanizar e poetizar!

Comentários

Milene disse…
Inscreve em nossos corações, Mestre querido, inspira-nos Pai com o Pulsar de teu AMOR, que entoa a canção do ENCONTRO, encontro maior entre irmãos que TE acolhem pelo coração, pela ação, na vida... Obrigada Senhor por abrir janelas, portas, olhos e vidas, num encontro que acontece em TI, com Tuas palavras tão CHEIAS de VIDA.
Márcio disse…
Vc tem blog, Milene? Você escreve bem e pelo visto nos identificamos nas ideias! Abs

Postagens mais visitadas deste blog

Comentário do Salmo 123

Salmo 123

A ti levanto os meus olhos, a ti, que ocupas o teu trono nos céus.
Assim como os olhos dos servos estão atentos à mão de seu senhor
e como os olhos das servas estão atentos à mão de sua senhora,
também os nosso olhos estão atentos ao Senhor, ao nosso Deus,
esperando que ele tenha misericórdia de nós.
Misericórdia, Senhor! Tem misericórdia de nós!
Já estamos cansados de tanto desprezo.
Estamos cansados de tanta zombaria dos orgulhosos
e do desprezo dos arrogantes.

O salmo 123 está contado entre os poemas de subidas que vai do salmo 120 ao salmo 134. Essa parte do saltério é também conhecida como cânticos de romagem/romaria, cânticos dos degraus ou cânticos de peregrinação.
Quer sejam poemas cantados pelos peregrinos a caminho de Jerusalém, quando subiam para o Templo na época das festas sagradas como dizem alguns; quer sejam cânticos cantados pelos exilados que voltavam da Babilônia a Jerusalém ou cantados pelos levitas sobre os quinze degraus que levavam ao Templo como dizem outros; ou…

“Pois nele vivemos, nos movemos e existimos.”

Em muitos arraiais religiosos eu percebo com pesar um esforço olímpico para que Deus se faça presente, se manifeste, mostre a Sua glória, como se Deus estivesse na tangência da Terra esperando o momento para entrar em cena!Deus não precisa ser invocado para se fazer presente. Deus a tudo e a todos envolve, em tudo e em todos transparece, de tudo e de todos emerge. Os teólogos dizem que é Ele é onipresente. Deus está totalmente envolvido com a história humana desde o seu nascedouro. Deus não está à parte do mundo, do lado de lá, distante. Convocar um Deus que é Todo-Presença é, no mínimo, contraditório.Deus está conosco, seu nome é Emanuel. Sua presença se dá de forma modesta, velada e silenciosa. Como o ar que respiramos sem nos darmos conta, Deus é o nosso fôlego; como o sol, que desde o horizonte clareia o meu quarto sem que eu esteja olhando para ele, Deus me renova; como a raiz que nutre a árvore, assim é Deus - a seiva da vida. A presença de Deus é a causa da nossa existência; só…

A Palavra

Não subestime uma palavra. Uma palavra não é apenas uma palavra. Uma palavra são vários combinados. Além de sentidos, uma palavra é som/música que diverte tantas crianças – onomatopéia, embeleza o texto e a poesia e corteja os amantes. Uma palavra é uma imagem - “janela”; um afeto - “casa”; um cheiro - “jasmim”. Uma palavra é uma cultura. Uma história. Uma palavra são emoções. A palavra é uma arma – disputa de poder, egos e vaidades. Uma violência emocional. A palavra é uma sentença, um preconceito. Um pedido de socorro, uma despedida. Um desnudar-se. Uma palavra é um beijo. Um amor. Uma palavra é uma esperança. Uma palavra é um universo. Uma vida. Um silêncio... Uma palavra tem cor, calor e textura. A palavra é Deus encarnado. Toda palavra que humaniza é divina. A palavra, onde estiver - artes, ciências, religião - que me reivindica responsabilidade, que inspira a vida, que se empresta para cantar as contradições e dramas humanos, que planta esperança é de caráter divino.
“A Pa…