Pular para o conteúdo principal

Quando o belo ofusca o Belo


Os momentos de louvor comunitário em nossos dias andam cheios de enfeites: instrumentos dos mais diversos, corais, orquestras, coreografias, luzes, palco, figurinos, sonoplastia, pinturas, desenhos... Enfim, todas as artes no momento da adoração ao Rei.
É bem verdade que estamos devendo muito com relação ao conteúdo, mas esta é história para outro artigo!
Em todo caso os dirigentes da música na igreja estão lançando mão de vários recursos para ornamentar o culto a Deus.
Nada contra a sofisticação, a ousadia e a criatividade. Pelo contrário, creio que devemos ser criativos em nossa liturgia e exalar beleza em nossa arte – salve(m) à Estética! Minha preocupação é quando toda essa pomposidade ofusca a beleza de Deus; serve como um fim em si mesma e não como uma ferramenta que aponta o mais formoso dentre os homens - a beleza das artes pelas artes e não a beleza das artes para Deus.
Fico a me perguntar se nesses grandes movimentos gospel a adoração das pessoas é uma resposta à beleza de Cristo ou ao carisma do ministrante; é uma reação à santidade de Deus ou ao do showman; tem um fim nas faces do Senhor ou se distrai com os canhões de luzes; é um encantar-se pela majestade do Rei dos reis ou pelo “poder” daquele que detém o microfone.
Lamento dizer que muitos dos púlpitos evangélicos se tornam um espaço para o exercício da vaidade e do poder: o levita pavão, o sacerdote leão! (ou vice-versa).
Essa tentação é fato! Aqueles que pisam no púlpito sabem disso. Alguns chegam como pretensos messias, crentes que vão dividir a história daquela platéia em duas partes: antes deles e depois deles; certos de que vão ser pessoas chaves naquele grande evento e que suas orações vão coagir um mover do Espírito Santo! Adoração não tem nada a ver com isso!
Outros constroem seus eventos que servem de vitrine de suas igrejas, exibindo sua habilidade de mobilização e administração alimentando assim a vaidade.
Quantas orações já fiz no momento do louvor, orações distantes do meu coração apenas para manipular uma situação; quantos jargões usei porque sabia que surtiria algum efeito; quantos cultos terminei envergonhado, pedindo perdão a Deus pois falei de coisas que não conhecia, coisas maravilhosas demais pra mim, adorei com os lábios, mas com o coração longe! (Muitas vezes essa confissão vinha logo após o clichê, à oração distante...).
Adoração tem a ver com o sacrifício do ego, da vontade, do poder, do pecado.
Lembro-me de Abraão no monte Moriá que, na iminência de sacrificar seu filho, fala para os seus servos: “ficai-vos aqui com o jumento, e eu e o moço iremos até ali; e, havendo adorado, tornaremos a vós” (Gn 22.5).
Para Abraão estava claro: aquilo seria (e foi!) um ato de adoração onde ele sacrificou sua vontade. Abraão sacrificou seu filho sem sacrificar! Mesmo sem imolar Isaque, Abraão o sacrificou a Deus (o texto deixa claro que ele iria até o fim!).
Meu apelo não é para acabarem com as luzes, figurinos, danças...(nem tenho influência para isso) Não! A igreja evangélica já está por demais “pelada” de estética! Mas sim que resistamos à idolatria, egolatria; sacrifiquemos o ego quando subirmos no altar para ministrar; que toda a beleza que houver aponte tão somente para o Único Belo; que os ornamentos usados não impeçam os nossos olhos de olharem para o rosto da nossa Esperança; que vençamos a tentação de deter os olhos dos homens sobre nós e possamos refletir como espelhos a glória de Deus; que nos livremos do peso de atrair a glória do Senhor, sua presença já é fato, promessa cumprida!
Adoração é a resposta do homem à beleza do Criador. Viu o homem que Deus é belo! É o instante em que, ao se deparar com a formosura do Senhor, o homem constata que todas as outras coisas são irrelevantes – Deus é o Único Necessário. O nosso irmão Kierkegaard já disse que “pureza de coração é desejar uma única coisa”. Se esse momento não acontecer o serviço falhou, adoração a Deus não houve e adoramos a criatura ao invés do Criador!
Não a nós, Senhor, não a nós, mas ao teu nome dá glória!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Comentário do Salmo 123

Salmo 123

A ti levanto os meus olhos, a ti, que ocupas o teu trono nos céus.
Assim como os olhos dos servos estão atentos à mão de seu senhor
e como os olhos das servas estão atentos à mão de sua senhora,
também os nosso olhos estão atentos ao Senhor, ao nosso Deus,
esperando que ele tenha misericórdia de nós.
Misericórdia, Senhor! Tem misericórdia de nós!
Já estamos cansados de tanto desprezo.
Estamos cansados de tanta zombaria dos orgulhosos
e do desprezo dos arrogantes.

O salmo 123 está contado entre os poemas de subidas que vai do salmo 120 ao salmo 134. Essa parte do saltério é também conhecida como cânticos de romagem/romaria, cânticos dos degraus ou cânticos de peregrinação.
Quer sejam poemas cantados pelos peregrinos a caminho de Jerusalém, quando subiam para o Templo na época das festas sagradas como dizem alguns; quer sejam cânticos cantados pelos exilados que voltavam da Babilônia a Jerusalém ou cantados pelos levitas sobre os quinze degraus que levavam ao Templo como dizem outros; ou…

“Pois nele vivemos, nos movemos e existimos.”

Em muitos arraiais religiosos eu percebo com pesar um esforço olímpico para que Deus se faça presente, se manifeste, mostre a Sua glória, como se Deus estivesse na tangência da Terra esperando o momento para entrar em cena!Deus não precisa ser invocado para se fazer presente. Deus a tudo e a todos envolve, em tudo e em todos transparece, de tudo e de todos emerge. Os teólogos dizem que é Ele é onipresente. Deus está totalmente envolvido com a história humana desde o seu nascedouro. Deus não está à parte do mundo, do lado de lá, distante. Convocar um Deus que é Todo-Presença é, no mínimo, contraditório.Deus está conosco, seu nome é Emanuel. Sua presença se dá de forma modesta, velada e silenciosa. Como o ar que respiramos sem nos darmos conta, Deus é o nosso fôlego; como o sol, que desde o horizonte clareia o meu quarto sem que eu esteja olhando para ele, Deus me renova; como a raiz que nutre a árvore, assim é Deus - a seiva da vida. A presença de Deus é a causa da nossa existência; só…

Deus não é perfeccionista.

No livro de Gênesis, na poesia da criação, há um refrão que o Criador repete de boca cheia ao contemplar a obra que havia feito: “Bom. Bom. Muito bom!”. A frase traduz muito mais um deleite, uma gratidão – festa da memória – do que uma constatação de ter alcançado a perfeição, o definitivo, o acabado. Reflita. O Criador conseguiria ou não aperfeiçoar os mares, o sol, as estrelas? Melhorar um pêssego? Se sim, as estrelas, o sol, os mares, o pêssego não são perfeitos, apesar de serem maravilhosos! Mas para Deus já estava bom. Não estava perfeito, mas Deus deu por encerrada a sua obra. E com gratidão. Lembre-se também da frustração de Deus com as decisões livres dos homens e mesmo assim sua estima, gratidão e esperança pela humanidade não se cansam. Quem sofre com o perfeccionismo não se deleita porque não consegue terminar o que está fazendo. Nunca se dá por satisfeito porque nunca alcança a perfeição. “Bom” para um perfeccionista é muito ruim. Para ele tem que ser perfeito. Daí seus d…