Pular para o conteúdo principal

A vida eterna começa aqui e agora.

Certa vez um jovem rico, religioso, moralmente correto, dono de muitas propriedades perguntou a Jesus: “que farei de bom para alcançar a vida eterna?”. A resposta de Jesus me fez pensar que a pergunta do jovem teria sido uma pergunta sem sentido; uma pergunta fora de lugar. “Por que me perguntas acerca do que é bom. Bom só existe um. Mas se queres entrar na Vida...” Ou seja: uma boa ação que garanta favores celestiais é impensável; um ser humano muito bom para se bastar inexiste.
A pergunta que o jovem faz é absurda, mas a resposta de Cristo pode lhe socorrer de uma vida religiosa, gnóstica, avarenta e escapista. “’Mas se queres entrar na Vida... ’ se é a respeito, jovem, do engajamento na Vida, de uma participação responsável no Viver, nós podemos conversar.”
A questão não é alcançar a vida eterna, a questão é entrar na Vida. (“Aliás, que tal entrar na Vida não possuindo? Que tal me seguir mais leve? Venda suas propriedades e dê aos pobres!”).
“Alcançar a vida eterna” como se a vida eterna fosse uma casa de veraneio, uma chácara, o lugar da ociosidade eterna, do capim na boca, pescando agachado, ouvindo canções angelicais ininterruptamente é inconcebível. Além de ser tedioso, sinceramente!
Não! A Vida é dinâmica e já começou! O Reino dos céus está entre nós!
A questão não é ganhar a vida que está me esperando em algum lugar geográfico, mas sim, entrar na Vida que já está fluindo, que já está acontecendo. A vida não espera inerte em algum lugar, ela está em movimento desde agora. E deseja acompanhantes, agentes, cúmplices! Esperar a vida eterna para que se possa viver é não viver, é já morrer. “Cadáver adiado que procria” (Fernando Pessoa).
O reino dos céus não é um presente que se ganha. “Ganhei minha vidinha eterna!”. A vida eterna é um projeto onde eu entro, onde eu me enfio de cabeça aqui e agora e vou vivendo em todo o seu movimento. Uma vida eterna que se ganha é uma vida muito pequena, uma vida que se pode pegar, apalpar, uma vida menor do que eu.
Eu não consigo abarcar o reino, é o reino que me abarca; não sou eu que envolvo a vida eterna, é a vida eterna que me envolve. Eu não consigo garantir a Vida, é a Vida que me garante. O povo tem a mania de querer garantir a salvação como se ela fosse uma poupança celestial, mas o fato é que é a salvação que nos garante uma vida boa, bem vivida com Deus e com o próximo.
Querer garantir a salvação é medíocre; ficar se policiando como estão os potinhos que garantem a vida eterna é pequenez e tira o nosso foco da vida aqui e agora. Manter os olhos somente na vida eterna é escapismo, fuga da realidade, irresponsabilidade com a vida – é blasfêmia. É negar a vida – o que a religião tem sugerido.
Do que adianta a preocupação com a vida após a morte se o próximo está nu, preso, doente, pobre, oprimido? Do que serve uma religião escatológica, mas que não me ensina a viver diante dos desafios da vida? Do que vale uma religião apocalíptica, mas que castra as possibilidades de se ter prazer na vida?
A proposta do cristianismo é: viva a vida em toda a sua plenitude; os momentos maus e bons; viva a vida intensamente com tudo o que ela tem para oferecer. Carpe diem!
O anúncio do evangelho é que o Reino já chegou; a vida eterna começa aqui e agora; vamos viver a Vida, embebidos pelo ideal do Reino.
Rubem Alves tem uma frase que gosto muito: “o futuro não é resultado do presente, é o presente que é engravidado pelo futuro”
Os sonhos, o ideal é que movem nossas pernas e braços para trabalhar, é o futuro que engravida o nosso presente de significado, alegria, esperança, dignidade, justiça, amor. Futuro que fica nos esperando no futuro nos faz esperar, conformar, escapar... Mas o futuro que penetra o presente concebe o reino de Deus!
A idéia da vida eterna não é para cruzarmos os braços e esperarmos Jesus voltar, mas para começarmos a viver já – Jo 10.10

O ladrão vem apenas para roubar, matar e destruir; eu vim para que tenham vida, e a tenham plenamente.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Comentário do Salmo 123

Salmo 123

A ti levanto os meus olhos, a ti, que ocupas o teu trono nos céus.
Assim como os olhos dos servos estão atentos à mão de seu senhor
e como os olhos das servas estão atentos à mão de sua senhora,
também os nosso olhos estão atentos ao Senhor, ao nosso Deus,
esperando que ele tenha misericórdia de nós.
Misericórdia, Senhor! Tem misericórdia de nós!
Já estamos cansados de tanto desprezo.
Estamos cansados de tanta zombaria dos orgulhosos
e do desprezo dos arrogantes.

O salmo 123 está contado entre os poemas de subidas que vai do salmo 120 ao salmo 134. Essa parte do saltério é também conhecida como cânticos de romagem/romaria, cânticos dos degraus ou cânticos de peregrinação.
Quer sejam poemas cantados pelos peregrinos a caminho de Jerusalém, quando subiam para o Templo na época das festas sagradas como dizem alguns; quer sejam cânticos cantados pelos exilados que voltavam da Babilônia a Jerusalém ou cantados pelos levitas sobre os quinze degraus que levavam ao Templo como dizem outros; ou…

“Pois nele vivemos, nos movemos e existimos.”

Em muitos arraiais religiosos eu percebo com pesar um esforço olímpico para que Deus se faça presente, se manifeste, mostre a Sua glória, como se Deus estivesse na tangência da Terra esperando o momento para entrar em cena!Deus não precisa ser invocado para se fazer presente. Deus a tudo e a todos envolve, em tudo e em todos transparece, de tudo e de todos emerge. Os teólogos dizem que é Ele é onipresente. Deus está totalmente envolvido com a história humana desde o seu nascedouro. Deus não está à parte do mundo, do lado de lá, distante. Convocar um Deus que é Todo-Presença é, no mínimo, contraditório.Deus está conosco, seu nome é Emanuel. Sua presença se dá de forma modesta, velada e silenciosa. Como o ar que respiramos sem nos darmos conta, Deus é o nosso fôlego; como o sol, que desde o horizonte clareia o meu quarto sem que eu esteja olhando para ele, Deus me renova; como a raiz que nutre a árvore, assim é Deus - a seiva da vida. A presença de Deus é a causa da nossa existência; só…

Deus não é perfeccionista.

No livro de Gênesis, na poesia da criação, há um refrão que o Criador repete de boca cheia ao contemplar a obra que havia feito: “Bom. Bom. Muito bom!”. A frase traduz muito mais um deleite, uma gratidão – festa da memória – do que uma constatação de ter alcançado a perfeição, o definitivo, o acabado. Reflita. O Criador conseguiria ou não aperfeiçoar os mares, o sol, as estrelas? Melhorar um pêssego? Se sim, as estrelas, o sol, os mares, o pêssego não são perfeitos, apesar de serem maravilhosos! Mas para Deus já estava bom. Não estava perfeito, mas Deus deu por encerrada a sua obra. E com gratidão. Lembre-se também da frustração de Deus com as decisões livres dos homens e mesmo assim sua estima, gratidão e esperança pela humanidade não se cansam. Quem sofre com o perfeccionismo não se deleita porque não consegue terminar o que está fazendo. Nunca se dá por satisfeito porque nunca alcança a perfeição. “Bom” para um perfeccionista é muito ruim. Para ele tem que ser perfeito. Daí seus d…