Pular para o conteúdo principal

O Milagre da Restrição

O Milagre da Restrição

Fazer milagres para Jesus não representava um desafio! O maior desafio para Cristo era não fazer milagre. Isto realmente era o Milagre.
Jesus foi 100% Deus e 100% homem, como dizem os teólogos. Transformar pedra em pão, lançar-se num abismo para ser acudido, tirar água da rocha, tudo isso era possível para Jesus. Mas para Cristo não estava em questão se ele era divino, mas em sendo divino poder ser humano!
Lançar mão das prerrogativas divinas como um atalho para a sua missão representava uma grande tentação para Jesus. Ele próprio enxergou assim! Segundo Philip Yancey

(...) na ausência de testemunhas oculares, todos os pormenores devem ter vindo do próprio Jesus. Pelo mesmo motivo, Jesus sentiu-se obrigado a revelar aos discípulos esse momento de luta e de fraqueza pessoal. Creio que a tentação foi um conflito genuíno, não um papel que Jesus representou com um resultado predeterminado. O mesmo tentador que encontrou um ponto fatal na vulnerabilidade de Adão e de Eva dirigiu o seu golpe contra Jesus com exatidão mortal.
[1]

Milagre por milagre, para esbanjar poder não interessava a Jesus. Este seria um papel para um deus com crise de identidade ou um tipo de deus narcisista. Não! Ele sabia de onde veio, qual era o seu nome e que era amado pelo Pai. O batismo foi taxativo e determinante nesse sentido: “Tu és o meu filho amado em quem me comprazo!”.
O verdadeiro desafio na vida de Jesus era não operar milagres, e nesse caso Jesus faz um Milagre maior. Nas palavras de Dostoievski Jesus realizou o “milagre da restrição”!
Ele abriu mão de fazer sua missão à custa de demonstração de poder, de promessas de “pão e circo”; de promessas generosas do ano da eleição; de milagre de prosperidade com o intuito de atrair adeptos. Jesus resistiu à tentação que muitas igrejas hoje não conseguem.
Para muitas igrejas o ingrediente fundamental é a operação de milagres, dos mais questionados e tolos (cura de dor de cabeça, de um câncer que a pessoa nem sabia que tinha!), passando pelos bizarros (pó de ouro nas mãos, dente de ouro), até os mais esquizofrênicos (imitar leão, colar-se na parede). E eu fico me perguntando: por que esses fazedores de milagres não vão para as partes mais pobres do mundo e produzem pó de ouro? Por que não fazem cultos especialmente para anões, para aqueles que sofrem paralisia cerebral, coxos e promovem curas?
Infelizmente a religião está se prostrando diante do diabo em troca de ganhar o mundo todo (dinheiro e prestígio, principalmente!), tentação que Cristo acusou logo como idolatria!
Só o que movia o poder divino de Cristo eram a compaixão e a empolgação em sinalizar o Reino dos Céus. Ele enxergava os pobres, oprimidos, pecadores, aqueles que os outros diziam serem pecadores (carma religioso), os estigmatizados (cobradores de impostos, pastores, mulheres, crianças), os doentes, leprosos, e não podia conter o seu poder de cura, milagre.
A motivação para Jesus fazer milagres era muito mais nobre; era mais do que agradar um empresariozinho que está falindo, um artista que perdeu a graça, dar uma BMW para o avarento, fazer crescer uma igreja, conseguir um programa de TV para uma apóstolo-pastor-bispo-pavão, atender uma “oração bem feita” do legalista, dar um terreno para quem vende seu voto... Jesus não era tão mesquinho. A motivação era nobre: compaixão!
Para Cristo, qualquer motivação para o milagre que não fosse a compaixão, era tentação do Diabo, corria o risco de estar questionando o amor do Pai ou de pretender oprimir pelo Poder!
Sim: Oprimir pelo poder, pois é tudo o que o poder promovido pelos “sinais prodigiosos” faz. A liberdade recebe o xeque mate diante daquele que detém o poder. Opa! Não será essa a grande façanha do Anti-Cristo: atrair com força centrífugo-econômica e exigir prostração?
Será que já não temos muitas versões de anticristos espalhados no mundo e religiões: líderes demonstrando poder bélico, econômico, místico para oprimir, convencer, prender e matar?
Cristo não faz este caminho, pois sabe que só em ambiente livre o amor pode fluir - a “fé necessária é gratuita, não fundamentada em milagres”, para citar novamente Dostoievski. O poder pode forçar a obediência, mas apenas o amor pode provocar a reação de amor, e este só nasce num ambiente de liberdade sem a opressão do poder.
Quiçá a igreja brasileira aprenda com Cristo o milagre da restrição, assuma sua humanidade, seja mais modesta semelhante à semente lançada na terra, adore a Deus nos dias ordinários e tenha como essência da sua proclamação não os milagres e prodígios, mas o Deus-homem: Jesus Cristo!

[1] Philip. Y, O Jesus que eu nunca conheci. Ed. Vida, pg. 72.

Comentários

IaGo AraúJo disse…
e ai kra..eh isso ai,neh!?! Como diz o pastor Elienai..JEsus num eh um "Sovadão", pronto pra nos alimentar físicamente..Ele nos alimenta pq isso faz parte do seu carater(hb 10.6)..
e essa históriade ouro nas mãos..rs
esse texto foi reflexo de nossas conversas?! rs!
um abraço kra..
bora ocnversar mais!
vou te pedir q tuh prepare um texto pra colocar no meu blog..pode ser..?

Postagens mais visitadas deste blog

Comentário do Salmo 123

Salmo 123

A ti levanto os meus olhos, a ti, que ocupas o teu trono nos céus.
Assim como os olhos dos servos estão atentos à mão de seu senhor
e como os olhos das servas estão atentos à mão de sua senhora,
também os nosso olhos estão atentos ao Senhor, ao nosso Deus,
esperando que ele tenha misericórdia de nós.
Misericórdia, Senhor! Tem misericórdia de nós!
Já estamos cansados de tanto desprezo.
Estamos cansados de tanta zombaria dos orgulhosos
e do desprezo dos arrogantes.

O salmo 123 está contado entre os poemas de subidas que vai do salmo 120 ao salmo 134. Essa parte do saltério é também conhecida como cânticos de romagem/romaria, cânticos dos degraus ou cânticos de peregrinação.
Quer sejam poemas cantados pelos peregrinos a caminho de Jerusalém, quando subiam para o Templo na época das festas sagradas como dizem alguns; quer sejam cânticos cantados pelos exilados que voltavam da Babilônia a Jerusalém ou cantados pelos levitas sobre os quinze degraus que levavam ao Templo como dizem outros; ou…

“Pois nele vivemos, nos movemos e existimos.”

Em muitos arraiais religiosos eu percebo com pesar um esforço olímpico para que Deus se faça presente, se manifeste, mostre a Sua glória, como se Deus estivesse na tangência da Terra esperando o momento para entrar em cena!Deus não precisa ser invocado para se fazer presente. Deus a tudo e a todos envolve, em tudo e em todos transparece, de tudo e de todos emerge. Os teólogos dizem que é Ele é onipresente. Deus está totalmente envolvido com a história humana desde o seu nascedouro. Deus não está à parte do mundo, do lado de lá, distante. Convocar um Deus que é Todo-Presença é, no mínimo, contraditório.Deus está conosco, seu nome é Emanuel. Sua presença se dá de forma modesta, velada e silenciosa. Como o ar que respiramos sem nos darmos conta, Deus é o nosso fôlego; como o sol, que desde o horizonte clareia o meu quarto sem que eu esteja olhando para ele, Deus me renova; como a raiz que nutre a árvore, assim é Deus - a seiva da vida. A presença de Deus é a causa da nossa existência; só…

Deus não é perfeccionista.

No livro de Gênesis, na poesia da criação, há um refrão que o Criador repete de boca cheia ao contemplar a obra que havia feito: “Bom. Bom. Muito bom!”. A frase traduz muito mais um deleite, uma gratidão – festa da memória – do que uma constatação de ter alcançado a perfeição, o definitivo, o acabado. Reflita. O Criador conseguiria ou não aperfeiçoar os mares, o sol, as estrelas? Melhorar um pêssego? Se sim, as estrelas, o sol, os mares, o pêssego não são perfeitos, apesar de serem maravilhosos! Mas para Deus já estava bom. Não estava perfeito, mas Deus deu por encerrada a sua obra. E com gratidão. Lembre-se também da frustração de Deus com as decisões livres dos homens e mesmo assim sua estima, gratidão e esperança pela humanidade não se cansam. Quem sofre com o perfeccionismo não se deleita porque não consegue terminar o que está fazendo. Nunca se dá por satisfeito porque nunca alcança a perfeição. “Bom” para um perfeccionista é muito ruim. Para ele tem que ser perfeito. Daí seus d…