Pular para o conteúdo principal

O amor é maior do que a fé


Há uma história no livro de Gênesis que é um retrato da saga humana. A história de Hagar e seu filho Ismael, cujo pai é Abraão. Como Sara, mulher de Abraão não podia dar a luz, teve a ideia de usar Hagar como “barriga de aluguel” para resolver o problema da descendência de seu marido. Isso gerou muita confusão na casa do patriarca.

Hagar fugiu para o deserto pela primeira vez, mas voltou para a casa de Abraão. Depois de 14 anos, Sara, milagrosamente, deu à luz a Isaque. Confusão sobre confusão, pois agora não somente as mulheres disputavam, mas também os filhos, o que fez Sara coagir Abraão a expulsar a escrava com seu filho.

Hagar e Ismael vão para o deserto pela segunda vez. Mas agora acaba o pão e a água e a fé e força para viver. Hagar se afasta de seu filho para não o ver morrer e começa a gritar e a chorar.

No meio de sua crise, gritos e soluços, Hagar ouve a sugestão divina “levante-se, pegue seu filho e abrace-o!”. É o que faz Hagar: aperta o menino contra seu peito e então a vida renasce: Hagar percebeu um poço que sempre esteve ali.

O que salvou Hagar e Ismael não foi a fé, mas o amor.

O abraço – um gesto desprovido de sofisticação, certezas, teologias os devolveu à vida. Imagino que enquanto Hagar abraçava o seu filho pensava “meu filho precisa de mim, não vou desistir, não vou entregar os pontos, meu filho precisa de mim! Não por mim, mas por ele!"

O amor de Hagar pelo filho a salvou. A situação de Ismael reivindica o amor de Hagar. E o amor em ato salva os dois.

Responder por alguém nos cura, nos salva, nos devolve à vida. Amar nos livra de uma vida sem sentido. A resposta para questão do ser é amar.

Quando na bifurcação da vida, onde as certezas nos abandonam, onde nos vemos impotentes, onde nos falta a fé, o que pode nos salvar são os nossos amores.

Quando estiver encrencado não fique dando voltas em torno de si, mas se descentralize e ame a alguém.

Quantos projetos não colapsaram por causa da urgência de amar!

Um sacerdote não desistiu de sua vocação não porque ainda restasse fé, mas por se lembrar do bem que seu ofício fazia a algumas pessoas. Por essas pessoas o sacerdote não desistiu e no meio do caminho se re-encantou pela vocação.

Alguém desistiu de dar cabo da vida porque se lembrou de um carente: “fulano precisa de mim; por ele eu não posso tirar a minha vida!”

Um divórcio foi adiado porque os filhos ainda eram novos. O homem/a mulher adiou sair de casa e depois de algum tempo se apaixonou novamente pelo parceiro (a).

Relacionamentos de pais e filhos foram renovados porque os filhos, por amar, entenderam que os pais precisavam do seu perdão, porque ninguém é perfeito.

O amor é maior do que a fé. Agora entendo um pouco melhor o apóstolo.

Nos piores dias da sua vida, faça como Hagar, “se levante e abrace a alguém!”. A vida vai colar em você. Você vai colar na vida. Você terá boas razões para não desistir.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Comentário do Salmo 123

Salmo 123

A ti levanto os meus olhos, a ti, que ocupas o teu trono nos céus.
Assim como os olhos dos servos estão atentos à mão de seu senhor
e como os olhos das servas estão atentos à mão de sua senhora,
também os nosso olhos estão atentos ao Senhor, ao nosso Deus,
esperando que ele tenha misericórdia de nós.
Misericórdia, Senhor! Tem misericórdia de nós!
Já estamos cansados de tanto desprezo.
Estamos cansados de tanta zombaria dos orgulhosos
e do desprezo dos arrogantes.

O salmo 123 está contado entre os poemas de subidas que vai do salmo 120 ao salmo 134. Essa parte do saltério é também conhecida como cânticos de romagem/romaria, cânticos dos degraus ou cânticos de peregrinação.
Quer sejam poemas cantados pelos peregrinos a caminho de Jerusalém, quando subiam para o Templo na época das festas sagradas como dizem alguns; quer sejam cânticos cantados pelos exilados que voltavam da Babilônia a Jerusalém ou cantados pelos levitas sobre os quinze degraus que levavam ao Templo como dizem outros; ou…

“Pois nele vivemos, nos movemos e existimos.”

Em muitos arraiais religiosos eu percebo com pesar um esforço olímpico para que Deus se faça presente, se manifeste, mostre a Sua glória, como se Deus estivesse na tangência da Terra esperando o momento para entrar em cena!Deus não precisa ser invocado para se fazer presente. Deus a tudo e a todos envolve, em tudo e em todos transparece, de tudo e de todos emerge. Os teólogos dizem que é Ele é onipresente. Deus está totalmente envolvido com a história humana desde o seu nascedouro. Deus não está à parte do mundo, do lado de lá, distante. Convocar um Deus que é Todo-Presença é, no mínimo, contraditório.Deus está conosco, seu nome é Emanuel. Sua presença se dá de forma modesta, velada e silenciosa. Como o ar que respiramos sem nos darmos conta, Deus é o nosso fôlego; como o sol, que desde o horizonte clareia o meu quarto sem que eu esteja olhando para ele, Deus me renova; como a raiz que nutre a árvore, assim é Deus - a seiva da vida. A presença de Deus é a causa da nossa existência; só…

A Palavra

Não subestime uma palavra. Uma palavra não é apenas uma palavra. Uma palavra são vários combinados. Além de sentidos, uma palavra é som/música que diverte tantas crianças – onomatopéia, embeleza o texto e a poesia e corteja os amantes. Uma palavra é uma imagem - “janela”; um afeto - “casa”; um cheiro - “jasmim”. Uma palavra é uma cultura. Uma história. Uma palavra são emoções. A palavra é uma arma – disputa de poder, egos e vaidades. Uma violência emocional. A palavra é uma sentença, um preconceito. Um pedido de socorro, uma despedida. Um desnudar-se. Uma palavra é um beijo. Um amor. Uma palavra é uma esperança. Uma palavra é um universo. Uma vida. Um silêncio... Uma palavra tem cor, calor e textura. A palavra é Deus encarnado. Toda palavra que humaniza é divina. A palavra, onde estiver - artes, ciências, religião - que me reivindica responsabilidade, que inspira a vida, que se empresta para cantar as contradições e dramas humanos, que planta esperança é de caráter divino.
“A Pa…