Pular para o conteúdo principal

Quem segue a Jesus não vive em paz!



Para dar conta do “terror cósmico”, os nossos ancestrais criaram mitos. Para lidar com os medos e insegurança o humano precisou se cercar de uma ordem, uma rotina, uma narrativa. Para se organizar, o ser humano constrói um mundo de sentidos. Diante do absurdamente inexplicável ousamos nomear.

Nesse mundo de sentidos encontramos tudo o que diz respeito à cultura: a linguagem, comida, modo de se vestir, o pensamento, a teologia, as “tribos”, os guetos, a urbanização, ritos de passagem, artes e outros. Tudo para promover certo sentido, orientação, segurança, ordem e paz. Nada mais humano!

Mas quem se atreve a ser um discípulo de Jesus tem esse mundo de sentidos bagunçado vez por outra!

Parece-me que a caminhada de Jesus é sempre na contra mão de uma vida organizada definitivamente, de uma fé pronta, de uma zona de conforto, do egocentrismo, da indiferença, da alienação, do sossego entorpecente.

Quem segue a Jesus não pode viver em paz! “Eu não vim trazer a paz...”

A sua teologia desestabiliza e nos deixa sempre a perguntar: “quem é esse?”. A sua teologia é subversiva porque à favor da vida; e porque é a favor da vida se relativiza por amor. “Vocês ouviram o que foi dito, eu, porém vos digo”. E quando ouso pensar, fazer jus ao espírito livre de Jesus... ah, sou taxado de herege, não posso viver em paz.

O seu engajamento é uma ameaça ao status quo; uma ameaça ao meu conforto, uma pergunta que me comissiona! E se eu digo sim, sou perseguido: nada de paz, mas “guerra”.

O seu amor/ compaixão é que faz a sua agenda. Jesus é refém do seu amor. Porque ama não tem onde reclinar a cabeça! Quantas vezes ele desejou descansar com seu amigos ou sozinho, mas quando a vida do outro se lhe impôs ele adiou a folga.

Quem abraçou o forte apelo de Jesus pela justiça não consegue não se revoltar frente às injustiças, corrupções e desigualdades. Sossego?

Quem foi alvo do amor incondicional de Jesus não fica em paz quando assiste cenas de intolerância religiosa. E quem se arrisca a lutar pelo direito das minorias é "apedrejado".

Quem foi driblado ao tentar colocar Jesus numa categoria não pode descansar as suas ideias, as suas crenças; não pode organizar a sua fé definitivamente.

Quem viu Jesus abrindo as portas para estrangeiros, gentes de outra fé, de outras tribos não pode se fechar num quintal religioso, numa fronteira xenofóbica; não pode fechar as portas da sua. "A minha casa será chamada casa de oração para todos os povos!"

Qualquer movimento que, em nome de um mundo de sentidos, quer uniformizar o grupo, organizar definitivamente a fé, promover uma paz alienada, dar a sensação de segurança dentro de um gueto é contra a vida cristã.

Obviamente, o homem precisa desse universo de sentidos para não enlouquecer, mas esse universo não pode paralisar o fluxo do pensamento, dos relacionamentos, da fé e do vento do Espírito.

Quem segue a Jesus não descansa a cabeça!


Comentários

LUCIANO PADILHA ROSA disse…
BOM DIA MÁRCIO CARDOSO! FOI VOCÊ QUE COMPÔS A MÚSICA "ESCOLHIDO COMO DANIEL" QUE FOI TEMA DO CAMPORI DE DESBRAVADORES? SE SIM, SABE QUAL O GRUPO QUE A INTERPRETA ESSA MÚSICA NO TEMA DO CAMPORI? NO AGUARDO, ABRAÇO! LUCIANO PADILHA ROSA - lucianopadilharosa@bol.com.br EM 07/10/2016.

Postagens mais visitadas deste blog

Comentário do Salmo 123

Salmo 123

A ti levanto os meus olhos, a ti, que ocupas o teu trono nos céus.
Assim como os olhos dos servos estão atentos à mão de seu senhor
e como os olhos das servas estão atentos à mão de sua senhora,
também os nosso olhos estão atentos ao Senhor, ao nosso Deus,
esperando que ele tenha misericórdia de nós.
Misericórdia, Senhor! Tem misericórdia de nós!
Já estamos cansados de tanto desprezo.
Estamos cansados de tanta zombaria dos orgulhosos
e do desprezo dos arrogantes.

O salmo 123 está contado entre os poemas de subidas que vai do salmo 120 ao salmo 134. Essa parte do saltério é também conhecida como cânticos de romagem/romaria, cânticos dos degraus ou cânticos de peregrinação.
Quer sejam poemas cantados pelos peregrinos a caminho de Jerusalém, quando subiam para o Templo na época das festas sagradas como dizem alguns; quer sejam cânticos cantados pelos exilados que voltavam da Babilônia a Jerusalém ou cantados pelos levitas sobre os quinze degraus que levavam ao Templo como dizem outros; ou…

“Pois nele vivemos, nos movemos e existimos.”

Em muitos arraiais religiosos eu percebo com pesar um esforço olímpico para que Deus se faça presente, se manifeste, mostre a Sua glória, como se Deus estivesse na tangência da Terra esperando o momento para entrar em cena!Deus não precisa ser invocado para se fazer presente. Deus a tudo e a todos envolve, em tudo e em todos transparece, de tudo e de todos emerge. Os teólogos dizem que é Ele é onipresente. Deus está totalmente envolvido com a história humana desde o seu nascedouro. Deus não está à parte do mundo, do lado de lá, distante. Convocar um Deus que é Todo-Presença é, no mínimo, contraditório.Deus está conosco, seu nome é Emanuel. Sua presença se dá de forma modesta, velada e silenciosa. Como o ar que respiramos sem nos darmos conta, Deus é o nosso fôlego; como o sol, que desde o horizonte clareia o meu quarto sem que eu esteja olhando para ele, Deus me renova; como a raiz que nutre a árvore, assim é Deus - a seiva da vida. A presença de Deus é a causa da nossa existência; só…

Deus não é perfeccionista.

No livro de Gênesis, na poesia da criação, há um refrão que o Criador repete de boca cheia ao contemplar a obra que havia feito: “Bom. Bom. Muito bom!”. A frase traduz muito mais um deleite, uma gratidão – festa da memória – do que uma constatação de ter alcançado a perfeição, o definitivo, o acabado. Reflita. O Criador conseguiria ou não aperfeiçoar os mares, o sol, as estrelas? Melhorar um pêssego? Se sim, as estrelas, o sol, os mares, o pêssego não são perfeitos, apesar de serem maravilhosos! Mas para Deus já estava bom. Não estava perfeito, mas Deus deu por encerrada a sua obra. E com gratidão. Lembre-se também da frustração de Deus com as decisões livres dos homens e mesmo assim sua estima, gratidão e esperança pela humanidade não se cansam. Quem sofre com o perfeccionismo não se deleita porque não consegue terminar o que está fazendo. Nunca se dá por satisfeito porque nunca alcança a perfeição. “Bom” para um perfeccionista é muito ruim. Para ele tem que ser perfeito. Daí seus d…