Pular para o conteúdo principal

SABOREAR É PRECISO, VIVER NÃO É PRECISO.

Existir não é sinônimo de viver. Existir é “viver porque a vida dura”, citando Fernando Pessoa. Viver de verdade é sugar a seiva dos dias. Existir é empurrar a vida com a barriga. Leviano. Viver é saborear os frutos que a vida dá. Carpe Diem!(colha o dia!). Saborear é preciso, viver não é preciso. O que é necessário mesmo na vida é desfrutar. Viver por viver já é a morte. Vida com sabor é vida abundante!
Para viver uma vida boa não basta apenas possuir coisas, é necessário usufruí-las (aliás, eu posso usufruir sem possuir!). Para viver bem não basta estar cercado de pessoas amadas, é preciso cultivar e desfrutar desse amor.
Viver apenas para “cumprir tabela” é viver sem apetite. É ter uma família linda, mas não saber brincar com os filhos e namorar o parceiro; comer um prato delicioso sem sentir o gosto; ter uma vastidão de livros, mas não se deleitar com aquele que está lendo; ter uma casa maravilhosa, mas nunca “chegar para pousar”; ter uma pessoa leal bem próximo, mas não ter por ela estima!
Esses dias eu bati o carro e isso me trouxe uma série de transtorno; mudou toda a minha agenda. Peguei o carro de volta depois de um mês. Mas esse acontecimento me trouxe uma reflexão: às vezes é preciso perder algo para depois ter de volta. Às vezes é preciso se distanciar de algo para saber o seu real valor. Lembrei de um conselho de Eclesiastes:
Atire o seu pão sobre as águas, e depois de muitos dias você tornará a encontrá-lo (Ec 11.1).
É isso que acontece quando, por exemplo, viajamos de férias e deixamos as atividades, o lugar, os pertences e as pessoas que amamos. Quando voltamos nós percebemos o quanto tudo é importante e bom! Isso também acontece quando ficamos vários anos sem ver um amigo querido! Só quando temos a sensação da perda, ou de fato, quando perdemos aquilo/aqueles que amamos é que despertamos para a sua importância.
Muitas vezes somos levados pela correnteza do ativismo, consumismo, egoísmo e, sem querer, nos distanciamos das coisas, das pessoas que mais amamos. Não é o nosso desejo, mas acontece; se “ligamos a vida no automático”, acontece. E é somente quando “perdemos” os nossos “objetos de amor” é que vemos como poderíamos ter desfrutado mais! É a esposa que pede a separação. Ou a perda de uma amizade por melindres. Ou um amigo que vai embora para nunca mais. E às vezes a perda é irrecuperável: a morte de um ente querido! Por isso as frases nos velórios do tipo “eu deveria ter dito o quanto ele é importante para mim”, “eu poderia ter curtido mais a sua amizade”.
Uma boa notícia é que a gente pode perder as coisas sem perdê-las. Como? Faça o seguinte exercício: se imagine sem as pessoas, sem as coisas que você mais ama? O sentimento que você terá pode levá-lo a valorizar mais os seus objetos de amor. Não espere o “dia mal” chegar, antecipe essa “perda” para ganhar. “Quem perde a sua vida a encontra”.
A vida é tão breve! Colha cada fruto da vida! Mas faça o seguinte: colha menos e saboreie mais! Curta mais a sua família; quando estiver em casa dê uma qualidade de tempo para seus filhos, beije mais o seu cônjuge. Saia com os amigos para jogar conversa fora, comer, beber. No culto comunitário abra os ouvidos e o coração a Deus e aos irmãos. Ouça música com a alma quedada. Leia um bom livro e se deixe viajar pela narrativa. Sinta o cheiro do café, o aroma do chá enquanto toma. Deguste mais a sua comida, mastigue mais e sinta o seu tempero. Quando estiver de folga, esteja realmente de folga! Pedale. Corra. Caminhe. Estude. Trabalhe.
Os nossos anos aqui na terra podem ser breves, mas podem ser cheios de sabor!
Naquele que nos dá vida abundante,

Márcio Cardoso

Comentários

gráVIDAS disse…
Li esse artigo ontem no boletim da igreja e amei. Parabéns pela sensibilidade e por dizer o que poucos dizem, mas que sempre precisamos lembrar!
Que Deus continue abençoando sua vida.
Massi
Andréia disse…
Ás vezes o sabor da vida é meio insosso... as vezes meio amargo... as vezes docinho q dói...
Experimentar os vários sabores que a vida nos proporciona faz com que nosso paladar se torne mais sensível e aguçado...
Obrigada por me ensinar a degustar cada momento, não importa o sabor que ele traga...
A companhia do outro conta demais para que a vida seja vivida intensamente.
Amo vc!

Postagens mais visitadas deste blog

Comentário do Salmo 123

Salmo 123

A ti levanto os meus olhos, a ti, que ocupas o teu trono nos céus.
Assim como os olhos dos servos estão atentos à mão de seu senhor
e como os olhos das servas estão atentos à mão de sua senhora,
também os nosso olhos estão atentos ao Senhor, ao nosso Deus,
esperando que ele tenha misericórdia de nós.
Misericórdia, Senhor! Tem misericórdia de nós!
Já estamos cansados de tanto desprezo.
Estamos cansados de tanta zombaria dos orgulhosos
e do desprezo dos arrogantes.

O salmo 123 está contado entre os poemas de subidas que vai do salmo 120 ao salmo 134. Essa parte do saltério é também conhecida como cânticos de romagem/romaria, cânticos dos degraus ou cânticos de peregrinação.
Quer sejam poemas cantados pelos peregrinos a caminho de Jerusalém, quando subiam para o Templo na época das festas sagradas como dizem alguns; quer sejam cânticos cantados pelos exilados que voltavam da Babilônia a Jerusalém ou cantados pelos levitas sobre os quinze degraus que levavam ao Templo como dizem outros; ou…

“Pois nele vivemos, nos movemos e existimos.”

Em muitos arraiais religiosos eu percebo com pesar um esforço olímpico para que Deus se faça presente, se manifeste, mostre a Sua glória, como se Deus estivesse na tangência da Terra esperando o momento para entrar em cena!Deus não precisa ser invocado para se fazer presente. Deus a tudo e a todos envolve, em tudo e em todos transparece, de tudo e de todos emerge. Os teólogos dizem que é Ele é onipresente. Deus está totalmente envolvido com a história humana desde o seu nascedouro. Deus não está à parte do mundo, do lado de lá, distante. Convocar um Deus que é Todo-Presença é, no mínimo, contraditório.Deus está conosco, seu nome é Emanuel. Sua presença se dá de forma modesta, velada e silenciosa. Como o ar que respiramos sem nos darmos conta, Deus é o nosso fôlego; como o sol, que desde o horizonte clareia o meu quarto sem que eu esteja olhando para ele, Deus me renova; como a raiz que nutre a árvore, assim é Deus - a seiva da vida. A presença de Deus é a causa da nossa existência; só…

Deus não é perfeccionista.

No livro de Gênesis, na poesia da criação, há um refrão que o Criador repete de boca cheia ao contemplar a obra que havia feito: “Bom. Bom. Muito bom!”. A frase traduz muito mais um deleite, uma gratidão – festa da memória – do que uma constatação de ter alcançado a perfeição, o definitivo, o acabado. Reflita. O Criador conseguiria ou não aperfeiçoar os mares, o sol, as estrelas? Melhorar um pêssego? Se sim, as estrelas, o sol, os mares, o pêssego não são perfeitos, apesar de serem maravilhosos! Mas para Deus já estava bom. Não estava perfeito, mas Deus deu por encerrada a sua obra. E com gratidão. Lembre-se também da frustração de Deus com as decisões livres dos homens e mesmo assim sua estima, gratidão e esperança pela humanidade não se cansam. Quem sofre com o perfeccionismo não se deleita porque não consegue terminar o que está fazendo. Nunca se dá por satisfeito porque nunca alcança a perfeição. “Bom” para um perfeccionista é muito ruim. Para ele tem que ser perfeito. Daí seus d…