Pular para o conteúdo principal

NATAL: DEUS PARINDO INCLUSÃO

A grande dádiva da Encarnação é a inclusão. Em Jesus ninguém é esquecido, depreciado ou excluído. Em Cristo pessoas de todo credo, cor, nação, gênero e idade são bem vindas. No Emanuel ninguém fica sem Deus. No Deus encarnado ninguém fica sem o “presente” do amor. Deus veio para todos e não apenas para uma parte; Deus se encarnou para que todos tenham vez e dignidade. “Deus amou o mundo de tal maneira...”.

A boa notícia da Encarnação é que todos, sem exceção, são filhos queridos de Deus. A Encarnação deslegitima todo movimento/instituição que tenta convencer a um homem/ mulher que estão com a vida atrapalhada que eles precisam fazer rituais (geralmente incluindo dinheiro!) para serem amados de Deus; a Encarnação lembra àquele (a) que se deixou convencer por alguém ou por uma religião que é persona non grata que Deus lhe quer muito bem. A Encarnação lembra que Deus não é de um grupo seleto.

A vida toda de Cristo, do nascimento à ressurreição, é esse anúncio maravilhosamente escancarado que todos são convidados à sua mesa para comerem do prato uns dos outros.

A gestação divina recebe gente de todo tipo: uma jovem, um carpinteiro, uma profetiza idosa, um sacerdote e sua esposa, pastores que tinham um estigma de não confiáveis e magos gentios (que não eram judeus) que se dedicavam ao estudo da Astrologia.

Quando os discípulos pedem que o Mestre lhes ensine a orar, Jesus começa “Pai nosso...”. Esta expressão é de uma revelação, verdade e revolução que não tem outro nome senão graça. Veja. Quando Jesus ensina essa oração ele está rodeado de uma multidão de toda espécie de gente. A expressão “Pai nosso” não significa que Deus é Pai apenas dos discípulos mais achegados de Jesus; que Deus é Pai apenas de cristãos (termo que nem se usava na época!).

Deus não é de propriedade exclusiva de ninguém e de nenhuma instituição. Deus é de ninguém para que Ele seja de todos. “Deus” de um grupo fechado é perverso, inspirador de barbáries, terrorismos, carnificina e guerras estúpidas. A história não me deixa mentir: Cruzadas, Inquisição, Guerra no Iraque, para citar alguns.

"Pai nosso” significa dizer que todos são filhos. Não gosto da lógica que diz que enquanto alguém não levantar as mãos “aceitando” a Jesus esta pessoa é criatura e não filha! Todos são filhos que podem desfrutar da companhia Pai!

O próprio jeito de viver de Cristo aponta para a verdade que Deus ama a todos, que Deus se encarnou para todos: Jesus come à mesa com pecadores; Jesus fala com mulher (e samaritana! E adúltera!); Jesus toca em crianças e leprosos; Jesus se oferece para jantar na casa de um cobrador de impostos (ofício sempre debaixo de suspeita); Jesus é balsamado por um homem rico da cidade de Arimatéia; Jesus ressurreto aparece primeiro à Maria Madalena. Na Vida de Jesus até você foi recebido! Que bom...! Até eu sou querido de Deus!

O Natal é o convite para vivermos como Jesus: sem arrogância religiosa, sem preconceitos, sem exclusão. O Natal quer estender às mãos a pessoas que não tiveram oportunidades na vida; gente marginalizada que se sentem amaldiçoadas por Deus, indivíduos que se deixaram convencer por alguém que são pecadores irreconciliáveis; pessoas desorientadas sem amigos para se aconselhar, homens e mulheres diferentes de nós que desejam (e podem!) chamar Deus de Pai. Enquanto tiver gente celebrando-vivendo-orando o Natal e o “Pai Nosso” não haverá alguém que se sinta órfão!

A humanidade dá a luz a Cristo, mas é Deus querendo parir uma humanidade onde seus moradores convivem em tolerância, humildade, respeito, serviço, gentileza, cordialidade, solidariedade, igualdade... enfim, no amor em ação!
Um bom natal para todos!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Comentário do Salmo 123

Salmo 123

A ti levanto os meus olhos, a ti, que ocupas o teu trono nos céus.
Assim como os olhos dos servos estão atentos à mão de seu senhor
e como os olhos das servas estão atentos à mão de sua senhora,
também os nosso olhos estão atentos ao Senhor, ao nosso Deus,
esperando que ele tenha misericórdia de nós.
Misericórdia, Senhor! Tem misericórdia de nós!
Já estamos cansados de tanto desprezo.
Estamos cansados de tanta zombaria dos orgulhosos
e do desprezo dos arrogantes.

O salmo 123 está contado entre os poemas de subidas que vai do salmo 120 ao salmo 134. Essa parte do saltério é também conhecida como cânticos de romagem/romaria, cânticos dos degraus ou cânticos de peregrinação.
Quer sejam poemas cantados pelos peregrinos a caminho de Jerusalém, quando subiam para o Templo na época das festas sagradas como dizem alguns; quer sejam cânticos cantados pelos exilados que voltavam da Babilônia a Jerusalém ou cantados pelos levitas sobre os quinze degraus que levavam ao Templo como dizem outros; ou…

“Pois nele vivemos, nos movemos e existimos.”

Em muitos arraiais religiosos eu percebo com pesar um esforço olímpico para que Deus se faça presente, se manifeste, mostre a Sua glória, como se Deus estivesse na tangência da Terra esperando o momento para entrar em cena!Deus não precisa ser invocado para se fazer presente. Deus a tudo e a todos envolve, em tudo e em todos transparece, de tudo e de todos emerge. Os teólogos dizem que é Ele é onipresente. Deus está totalmente envolvido com a história humana desde o seu nascedouro. Deus não está à parte do mundo, do lado de lá, distante. Convocar um Deus que é Todo-Presença é, no mínimo, contraditório.Deus está conosco, seu nome é Emanuel. Sua presença se dá de forma modesta, velada e silenciosa. Como o ar que respiramos sem nos darmos conta, Deus é o nosso fôlego; como o sol, que desde o horizonte clareia o meu quarto sem que eu esteja olhando para ele, Deus me renova; como a raiz que nutre a árvore, assim é Deus - a seiva da vida. A presença de Deus é a causa da nossa existência; só…

Deus não é perfeccionista.

No livro de Gênesis, na poesia da criação, há um refrão que o Criador repete de boca cheia ao contemplar a obra que havia feito: “Bom. Bom. Muito bom!”. A frase traduz muito mais um deleite, uma gratidão – festa da memória – do que uma constatação de ter alcançado a perfeição, o definitivo, o acabado. Reflita. O Criador conseguiria ou não aperfeiçoar os mares, o sol, as estrelas? Melhorar um pêssego? Se sim, as estrelas, o sol, os mares, o pêssego não são perfeitos, apesar de serem maravilhosos! Mas para Deus já estava bom. Não estava perfeito, mas Deus deu por encerrada a sua obra. E com gratidão. Lembre-se também da frustração de Deus com as decisões livres dos homens e mesmo assim sua estima, gratidão e esperança pela humanidade não se cansam. Quem sofre com o perfeccionismo não se deleita porque não consegue terminar o que está fazendo. Nunca se dá por satisfeito porque nunca alcança a perfeição. “Bom” para um perfeccionista é muito ruim. Para ele tem que ser perfeito. Daí seus d…