Pular para o conteúdo principal

Por favor, leiam o livro Repintando a Igreja, de Rob Bell, Ed Vida. (Abaixo recortes do seu livro)


Durante centenas de anos, os seguidores de Jesus, assim como os artistas, entenderam que é preciso prosseguir, estudando meios de vier em harmonia com Deus e uns com os outros. A tradição da fé cristã é cheia de mudanças, crescimento e transformação. Jesus teve parte nesse processo, levando as pessoas a repensar a fé, a Bíblia, o amor, a esperança, tudo enfim, e convidando-as a tomar parte em um processo infindável de prática de vida, de viver da maneira que Deus planejou que vivêssemos.
O desafio para os cristão é, então, viver com paixão e convicção sem medida, permanecendo abertos e flexíveis, conscientes de que esta vida não é o quadro definitivo.
Os tempos mudam. Deus não muda, mas o tempo, sim. Nós aprendemos e crescemos, o mundo a nossa volta muda, e a fé cristão é viva apenas quando é ouvida, retocada, inovada, quando abandona tudo que atrapalhas no caminho de Jesus e adota tudo quanto nos ajudará a ser cada vez mais o povo que Deus quer que sejamos.
Há inúmeros exemplos desse processo contínuo, mas vou mencionar apenas um. Cerca de 500 anos atrás, um homem chamado Martinho Lutero fez uma série de perguntas a respeito do quadro que a igreja estava apresentando ao mundo. Ele insistiu em que a graça de Deus não podia ser comprada com dinheiro nem com boas obras. Seu desejo era que todos tivessem seu próprio exemplar da Bíblia na língua que falavam e liam. Lutero afirmava que todos tinham um chamado divino para servir a Deus, não apenas os clérigos, que tinham ofícios nas igrejas. Essa idéia era revolucionária para o mundo da época. Lutero expunha conceitos ímpares a seus ouvintes. Eles lhe davam ouvidos. E aconteceu algo grande, um fato histórico. As coisas mudaram. Milhares de pessoas tiveram acesso a Deus de maneiras até então desconhecidas.
Isso não parou por aí. Lutero estava assumindo lugar num extenso rol de pessoas que jamais pararam de repensar e redesenhar a fé. Retirando camadas de tinta desnecessárias e, ao mesmo tempo, redescobrindo elementos essenciais que se haviam perdido. A obra de arte de Lutero foi parte do que veio a ser conhecido depois como Reforma. Graças a esse movimento, as igrejas contra as quais ele falava passaram por seu próprio processo de revisão e remodelamento, realizando mudanças importantes.
E o processo não cessou.
Não pode.
Na verdade, as pessoas contemporâneas de Lutero empregaram uma palavra muito específica para esse processo interminável e absolutamente necessário de mudanças e crescimento. Eles não empregavam a palavras reformada; empregavam a palavras reformando. Essa distinção é essencial. Tinham consciência de que o que eles diziam e faziam, escreviam e decidiam precisaria ser revisitado. Revisado. Reelaborado
Eu faço parte dessa tradição.
Faço parte de uma corrente histórica e mundial de pessoas que crêem que Deus não nos deixou sozinhos, mas está envolvido na história humana desde o início. São pessoas que crêem que, em Jesus, Deus habitou entre nós de maneira singular e poderosa, mostrando-nos um novo tipo de vida. Dando a cada um de nós uma nova perspectiva para nossa vida em comunhão, para o mundo em que vivemos.

Como parte dessa tradição, eu abraço a necessidade de continuar pintando, continuar reformando.
Com isso não quero me referir a mudanças plásticas, superficiais, como melhor iluminação e música, imagens mais nítidas e métodos inovadores com passos fáceis de seguir. Quero dizer teologia: convicções acerca de Deus, de Jesus, da Bíblia, da salvação e do futuro. Precisamos continuar reformando a maneira de definir a fé cristã, a maneira de vivê-la e explicá-la.
Jesus é mais convincente que nunca. Mais convidativo, mais verdadeiro, mas misterioso que nunca. O problema não é Jesus, o problema é o que vem com Jesus.
Para muitos, a palavra cristão está associada a todo tipo de imagens que nada dizem sobre que é Jesus e sobre a maneira pela qual nos ensinou a viver. Isso precisa mudar.
Por outro lado, para outros, o quadro funciona para os pais, ou já lhes deus algum sentido quando estavam crescendo, mas agora perdeu o sentido. Não combina. Está ultrapassado. Nada tem a dizer ao mundo em que vivem diariamente. Não que não haja verdade nessa pintura, nem que todos o que vieram antes estavam mal-informados ou se enganaram. Trata-se apenas de que toda geração não pode furtar-se a fazer as perguntas-chaves sobre o que significa ser cristão aqui e agora, isto é, no lugar em que estão e no momento em que vivem.
É o que em geral acontece. Alguém surge com uma nova perspectiva da fé cristã. As pessoas são inspiradas. Um movimento tem início. A fé que estava enfraquecendo e morrendo agora renasce. Mas, então, o pioneiro do movimento morre, e os discípulos param de buscar, experimentar, pôr à prova. Eles passam a aceitar, equivocadamente, que as palavras do líder foram definitivas sobre o assunto; assim congelam as palavras do líder. Esquecem-se de que, ao contrário da pessoa inovadora, que fazia sua parte para avançar, outras pessoas tão-somente faziam parte da discussão que continuará para sempre. Desse modo, comprometidos com o que fulano e beltrano disseram e fizeram, os seguidores acabam congelando a fé.

Comentários

Elton disse…
Tô devendo a leitura do livro "A Cabana"!!! O proximo será este que vc está indicando!!! eheheheh!!! Um forte abraço!!!
Obs: Eu não vou mais implorar pela cifra da música Silenciar.

Postagens mais visitadas deste blog

Comentário do Salmo 123

Salmo 123

A ti levanto os meus olhos, a ti, que ocupas o teu trono nos céus.
Assim como os olhos dos servos estão atentos à mão de seu senhor
e como os olhos das servas estão atentos à mão de sua senhora,
também os nosso olhos estão atentos ao Senhor, ao nosso Deus,
esperando que ele tenha misericórdia de nós.
Misericórdia, Senhor! Tem misericórdia de nós!
Já estamos cansados de tanto desprezo.
Estamos cansados de tanta zombaria dos orgulhosos
e do desprezo dos arrogantes.

O salmo 123 está contado entre os poemas de subidas que vai do salmo 120 ao salmo 134. Essa parte do saltério é também conhecida como cânticos de romagem/romaria, cânticos dos degraus ou cânticos de peregrinação.
Quer sejam poemas cantados pelos peregrinos a caminho de Jerusalém, quando subiam para o Templo na época das festas sagradas como dizem alguns; quer sejam cânticos cantados pelos exilados que voltavam da Babilônia a Jerusalém ou cantados pelos levitas sobre os quinze degraus que levavam ao Templo como dizem outros; ou…

“Pois nele vivemos, nos movemos e existimos.”

Em muitos arraiais religiosos eu percebo com pesar um esforço olímpico para que Deus se faça presente, se manifeste, mostre a Sua glória, como se Deus estivesse na tangência da Terra esperando o momento para entrar em cena!Deus não precisa ser invocado para se fazer presente. Deus a tudo e a todos envolve, em tudo e em todos transparece, de tudo e de todos emerge. Os teólogos dizem que é Ele é onipresente. Deus está totalmente envolvido com a história humana desde o seu nascedouro. Deus não está à parte do mundo, do lado de lá, distante. Convocar um Deus que é Todo-Presença é, no mínimo, contraditório.Deus está conosco, seu nome é Emanuel. Sua presença se dá de forma modesta, velada e silenciosa. Como o ar que respiramos sem nos darmos conta, Deus é o nosso fôlego; como o sol, que desde o horizonte clareia o meu quarto sem que eu esteja olhando para ele, Deus me renova; como a raiz que nutre a árvore, assim é Deus - a seiva da vida. A presença de Deus é a causa da nossa existência; só…

Deus não é perfeccionista.

No livro de Gênesis, na poesia da criação, há um refrão que o Criador repete de boca cheia ao contemplar a obra que havia feito: “Bom. Bom. Muito bom!”. A frase traduz muito mais um deleite, uma gratidão – festa da memória – do que uma constatação de ter alcançado a perfeição, o definitivo, o acabado. Reflita. O Criador conseguiria ou não aperfeiçoar os mares, o sol, as estrelas? Melhorar um pêssego? Se sim, as estrelas, o sol, os mares, o pêssego não são perfeitos, apesar de serem maravilhosos! Mas para Deus já estava bom. Não estava perfeito, mas Deus deu por encerrada a sua obra. E com gratidão. Lembre-se também da frustração de Deus com as decisões livres dos homens e mesmo assim sua estima, gratidão e esperança pela humanidade não se cansam. Quem sofre com o perfeccionismo não se deleita porque não consegue terminar o que está fazendo. Nunca se dá por satisfeito porque nunca alcança a perfeição. “Bom” para um perfeccionista é muito ruim. Para ele tem que ser perfeito. Daí seus d…