Pular para o conteúdo principal

O Reino dos céus está entre nós

Interrogado pelos fariseus sobre quando chegaria o Reino de Deus, respondeu-lhes: “A vinda do Reino de Deus não é observável. Não se poderá dizer; ‘Ei-lo aqui! Ei-lo ali! ’, pois eis que o Reino de Deus está no meio de vós”
(Lc 17.20,21).

O Reino dos céus não é simplesmente um lugar geográfico, metafísico para além da terra; ele está aqui! Ele está entre nós!

O Reino dos céus está no comércio do João,
No consultório da Maria, na banca da Zezé.
É a Francisca fazendo bolo
É a Neide servindo café
O Reino está na clínica do Antônio
Nas vendas do Miguel,
No pescado de José...


O Reino dos céus não é religioso, institucional, domesticável, ele está espalhado por toda a terra. O Reino dos céus se move de muitas formas, para todos os lados, espalhando seus valores e sinalizações.
Mas para enxergar o Reino é necessário ter outros olhos (“o essencial é invisível aos olhos”). É preciso ter de volta os sentidos que uma sociedade corrompida nos tirou.
É preciso exercitar novamente o toque (o abraço, o beijo, o dar as mãos); é necessário aquele cheiro que o nordestino gosta de dar; voltar a olhar para o próximo com carinho e reverência; é preciso aprender a ouvir.
Jesus Cristo, o Senhor do Reino, viveu assim entre nós!
O jeito de viver de Cristo foi carregado de doçura, de ternura. As suas curas eram acompanhadas do toque; a sua mensagem era pregada ao redor de uma mesa comendo e bebendo; o seu discipulado era uma dádiva de sua amizade. Assim era o Cristo, o Filho de Deus: amigo e humano!
Quem quiser participar desse Reino é preciso se humanizar cada vez mais, não deixar que a tecnologia transforme seu coração em robô e lhe distancie das pessoas.
É importante sensibilidade para perceber o Reino dos Céus.
E quem enxerga, vê um Reino a ser construído, um Reino ainda inacabado e que conta com cada um de nós! Por que o Reino dos céus é ao mesmo tempo a VISÃO e a MÃO NA MASSA; ao mesmo tempo a utopia e o trabalho! O Reino dos céus não é um pacote fechado que recebemos pelo serviço de correspondência celeste depois que fazemos uma oração forte.
O Reino é uma idéia que precisa ser encarnada; é um sonho que conta com homens e mulheres para a construção!
O próprio Cristo nos ensinou que o Reino dos céus...


  • É semelhante a um grão de mostarda que um homem tomou e semeou no seu campo;

  • É Semelhante ao fermento que uma mulher tomou e pôs em três medidas de farinha;

  • É semelhante ao negociante que anda em busca de pérolas finas; acha uma pérola de grande valor e vende tudo o que tem por ela;

  • É semelhante à rede lançada ao mar, que apanha tudo e depois separam o que é bom do que não é.
Precisamos encarnar a missão de Abraão: sê tu uma benção! Deus não enviou Abraão para uma terra para ser abençoado, mas para ser uma benção. Se quisermos ver um Brasil melhor, uma nação menos violenta e mais justa precisamos deixar que a idéia do Reino de Deus tome conta de nossas mentes e corações.
Li uma frase do Caetano Veloso na revista Cult que me chamou à atenção: o Brasil vai dar certo porque eu quero!
Eu quero o espírito desta frase para mim. O Reino dos céus aqui na terra é possível porque eu me disponibilizo a fazer diferença!
Precisamos nos converter a essa idéia. Não a religião, mas a idéia do Reino dos céus; precisamos nos desvencilhar das ferrugens que corroem a humanidade: ira, inveja, arrogância, compulsões, corrupção, ganância, injustiça, mentira...
Um outro mundo pode ser idealizado e realizado, visto e feito, sonhado e produzido, pois o Reino dos céus está entre nós!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Comentário do Salmo 123

Salmo 123

A ti levanto os meus olhos, a ti, que ocupas o teu trono nos céus.
Assim como os olhos dos servos estão atentos à mão de seu senhor
e como os olhos das servas estão atentos à mão de sua senhora,
também os nosso olhos estão atentos ao Senhor, ao nosso Deus,
esperando que ele tenha misericórdia de nós.
Misericórdia, Senhor! Tem misericórdia de nós!
Já estamos cansados de tanto desprezo.
Estamos cansados de tanta zombaria dos orgulhosos
e do desprezo dos arrogantes.

O salmo 123 está contado entre os poemas de subidas que vai do salmo 120 ao salmo 134. Essa parte do saltério é também conhecida como cânticos de romagem/romaria, cânticos dos degraus ou cânticos de peregrinação.
Quer sejam poemas cantados pelos peregrinos a caminho de Jerusalém, quando subiam para o Templo na época das festas sagradas como dizem alguns; quer sejam cânticos cantados pelos exilados que voltavam da Babilônia a Jerusalém ou cantados pelos levitas sobre os quinze degraus que levavam ao Templo como dizem outros; ou…

“Pois nele vivemos, nos movemos e existimos.”

Em muitos arraiais religiosos eu percebo com pesar um esforço olímpico para que Deus se faça presente, se manifeste, mostre a Sua glória, como se Deus estivesse na tangência da Terra esperando o momento para entrar em cena!Deus não precisa ser invocado para se fazer presente. Deus a tudo e a todos envolve, em tudo e em todos transparece, de tudo e de todos emerge. Os teólogos dizem que é Ele é onipresente. Deus está totalmente envolvido com a história humana desde o seu nascedouro. Deus não está à parte do mundo, do lado de lá, distante. Convocar um Deus que é Todo-Presença é, no mínimo, contraditório.Deus está conosco, seu nome é Emanuel. Sua presença se dá de forma modesta, velada e silenciosa. Como o ar que respiramos sem nos darmos conta, Deus é o nosso fôlego; como o sol, que desde o horizonte clareia o meu quarto sem que eu esteja olhando para ele, Deus me renova; como a raiz que nutre a árvore, assim é Deus - a seiva da vida. A presença de Deus é a causa da nossa existência; só…

Deus não é perfeccionista.

No livro de Gênesis, na poesia da criação, há um refrão que o Criador repete de boca cheia ao contemplar a obra que havia feito: “Bom. Bom. Muito bom!”. A frase traduz muito mais um deleite, uma gratidão – festa da memória – do que uma constatação de ter alcançado a perfeição, o definitivo, o acabado. Reflita. O Criador conseguiria ou não aperfeiçoar os mares, o sol, as estrelas? Melhorar um pêssego? Se sim, as estrelas, o sol, os mares, o pêssego não são perfeitos, apesar de serem maravilhosos! Mas para Deus já estava bom. Não estava perfeito, mas Deus deu por encerrada a sua obra. E com gratidão. Lembre-se também da frustração de Deus com as decisões livres dos homens e mesmo assim sua estima, gratidão e esperança pela humanidade não se cansam. Quem sofre com o perfeccionismo não se deleita porque não consegue terminar o que está fazendo. Nunca se dá por satisfeito porque nunca alcança a perfeição. “Bom” para um perfeccionista é muito ruim. Para ele tem que ser perfeito. Daí seus d…