Pular para o conteúdo principal

Deus é Papai!

Certa vez um dos discípulos se aproximou do Mestre e pediu “Senhor, ensina-nos a orar”. Jesus fez a oração conhecida de todos nós – a oração do “Pai Nosso” que, mais do que uma oração a ser repetida, é uma consciência de ser diante de Deus. Esse jeito de ser diante de Deus nos revela muitas verdades das quais gostaria de compartilhar uma.
A oração de Jesus nos traz o discernimento que o Deus Criador é o Abba (literalmente, papai). No dialeto sírio ocidental do aramaico, Abba é o nome dado pela criança ao seu pai na intimidade do lar. A palavra mais fácil para uma criança articular, balbuciar.
Esse é o escândalo do Evangelho. O Deus dos hebreus, da Revelação terrível no Monte Sinai, o Senhor dos Exércitos, o Rei adorado nos céus por anjos é o nosso Papai. O Deus de nome impronunciável do Antigo Testamento (YHWH) cabe na boca de uma criança. Ninguém antes de Jesus usou essa palavra para se dirigir a Deus. Em outras orações Cristo vai usar esta mesma palavra que foi traduzida para nós como “pai”, do latim pater.
Mas que revolução acontece com essa expressão? O Abba corrige muitas caricaturas feias de Deus que muitos têm. Basta pensar em nossa paternidade (e quem não é pai/mãe pode pensar nos seus pais ou numa pessoa boa!) para chegar à conclusão que um pai/mãe não agiria como muitos pensam que Deus age. Exemplo: Uma criança de cinco anos de idade é violentada sexualmente até a morte e alguém diz irresponsavelmente que Deus tinha um propósito. E eu perguntaria “que Deus é esse que para cumprir seu propósito tem que sacrificar uma criança?”. Pense um pouco: você como pai/mãe/ser humano permitiria que sua criança passasse por uma experiência dessas para cumprir um projeto seu? Claro que não!
Outro exemplo: numa tragédia de avião com dezenas de mortos alguém que teria perdido o horário do vôo diz com certo pesar, mas aliviado, “Deus me livrou!”. E eu concluo: se Deus escolheu livrar essa pessoa, Deus escolheu matar dezenas de homens e mulheres. Isso combina com a imagem do Papai?! Qual de seus filhos, papai e mamãe, você escolheria para tal tragédia? Nenhum obviamente! Com certeza você preferiria dar a sua própria vida, não é?! Se nós que somos maus agiríamos nesses casos com afeto, amor, misericórdia, bom senso, humanidade quanto mais o Papai do céu! O Deus Abba não faz assim!
Todos nós estamos sujeitos às tragédias, pois assim como o sol nasce para todos, as tempestades caem sobre todos – é a sina do ser humano! Ninguém está imune às doenças, assaltos, violências, injustiça, desemprego, perdas. O grande desafio, que é também libertador, é este: quando a tragédia vier sobre você não acredite que Deus foi quem planejou, pois o Papai quer seu bem!
Outra atitude que às vezes temos diante do desastre é concluir que se estamos passando por tal momento é porque Deus nos abandonou, deu as costas para nós, e nos perguntamos “onde está você, ó Deus! Qual pai/mãe agiria assim no momento de dor do seu filho? “Haverá mãe que possa esquecer seu bebê que ainda mama e não ter compaixão do filho que gerou? Embora ela possa esquecê-lo, eu não me esquecerei de você!”(Is 49.15).
O Papai ama você! Por mais difícil que seja acreditar nisso em dias de tempestades, essa é mais pura verdade. Não cale essa voz no seu coração: “o Papai ama você!”. O desastre não é sinônimo da ausência de Deus. Deus continua lhe amando, oferecendo sua companhia, emprestando suas lágrimas e gemendo sua dor. O amor do Papai não oscila, não diminui, não é interesseiro, não tem segundos planos, não é utilitário e não abandona.
O amor de Deus é pra valer. Deus não brinca de amar, não brinca com os nossos sentimentos, não é insensível a nossa dor. Seu amor é comparado sim com a relação de paternidade que conhecemos.

Confiante no amor de Deus que é Papai

Comentários

Anônimo disse…
Fico feliz por também ter essa percepção do papai, mas infelismente milhares de pessoas não conseguem compreender que Deus é Abba pai.
Levando em conta que enxergamos o mundo e enteragimos com ele a partir de nossas percepções e que elas são contruidas pela cultura em que estamos inseridos, nos deparamos com multipercepções de Deus, umas certas e outras totalmente equivocadas.
Mas ao ler ese texto meu coração se enche de alegria, pois ainda temos homens que se disponibilizam em apresentar a imagem real de Deus e afim de desconstruir a imagem distocidade formada historicamente.
Obrigada por partilhar!
Amo essa família Cardoso!
Aline.

Postagens mais visitadas deste blog

Comentário do Salmo 123

Salmo 123

A ti levanto os meus olhos, a ti, que ocupas o teu trono nos céus.
Assim como os olhos dos servos estão atentos à mão de seu senhor
e como os olhos das servas estão atentos à mão de sua senhora,
também os nosso olhos estão atentos ao Senhor, ao nosso Deus,
esperando que ele tenha misericórdia de nós.
Misericórdia, Senhor! Tem misericórdia de nós!
Já estamos cansados de tanto desprezo.
Estamos cansados de tanta zombaria dos orgulhosos
e do desprezo dos arrogantes.

O salmo 123 está contado entre os poemas de subidas que vai do salmo 120 ao salmo 134. Essa parte do saltério é também conhecida como cânticos de romagem/romaria, cânticos dos degraus ou cânticos de peregrinação.
Quer sejam poemas cantados pelos peregrinos a caminho de Jerusalém, quando subiam para o Templo na época das festas sagradas como dizem alguns; quer sejam cânticos cantados pelos exilados que voltavam da Babilônia a Jerusalém ou cantados pelos levitas sobre os quinze degraus que levavam ao Templo como dizem outros; ou…

“Pois nele vivemos, nos movemos e existimos.”

Em muitos arraiais religiosos eu percebo com pesar um esforço olímpico para que Deus se faça presente, se manifeste, mostre a Sua glória, como se Deus estivesse na tangência da Terra esperando o momento para entrar em cena!Deus não precisa ser invocado para se fazer presente. Deus a tudo e a todos envolve, em tudo e em todos transparece, de tudo e de todos emerge. Os teólogos dizem que é Ele é onipresente. Deus está totalmente envolvido com a história humana desde o seu nascedouro. Deus não está à parte do mundo, do lado de lá, distante. Convocar um Deus que é Todo-Presença é, no mínimo, contraditório.Deus está conosco, seu nome é Emanuel. Sua presença se dá de forma modesta, velada e silenciosa. Como o ar que respiramos sem nos darmos conta, Deus é o nosso fôlego; como o sol, que desde o horizonte clareia o meu quarto sem que eu esteja olhando para ele, Deus me renova; como a raiz que nutre a árvore, assim é Deus - a seiva da vida. A presença de Deus é a causa da nossa existência; só…

Deus não é perfeccionista.

No livro de Gênesis, na poesia da criação, há um refrão que o Criador repete de boca cheia ao contemplar a obra que havia feito: “Bom. Bom. Muito bom!”. A frase traduz muito mais um deleite, uma gratidão – festa da memória – do que uma constatação de ter alcançado a perfeição, o definitivo, o acabado. Reflita. O Criador conseguiria ou não aperfeiçoar os mares, o sol, as estrelas? Melhorar um pêssego? Se sim, as estrelas, o sol, os mares, o pêssego não são perfeitos, apesar de serem maravilhosos! Mas para Deus já estava bom. Não estava perfeito, mas Deus deu por encerrada a sua obra. E com gratidão. Lembre-se também da frustração de Deus com as decisões livres dos homens e mesmo assim sua estima, gratidão e esperança pela humanidade não se cansam. Quem sofre com o perfeccionismo não se deleita porque não consegue terminar o que está fazendo. Nunca se dá por satisfeito porque nunca alcança a perfeição. “Bom” para um perfeccionista é muito ruim. Para ele tem que ser perfeito. Daí seus d…