Pular para o conteúdo principal

A ORAÇÃO QUE NÃO PODE CALAR

Esses dias li num livro um diálogo de um romance de Pedro Bloch que me chamou a atenção:

- Você reza a Deus, menino?
- Sim, toda noite.
- E o que lhe pede?
- Nada. Só lhe pergunto se posso ajudar em alguma coisa.

Eis aqui uma boa oração que precisamos fazer!
Com muita freqüência a nossa oração reflete uma espiritualidade ensimesmada, egoísta e displicente. Uma oração que não contempla a necessidade do outro, não se coloca a serviço de Deus e que só repete “me dá, me dá, me dá!”.
Muitos fazem suas orações de petições como se Deus já não tivesse se envolvido totalmente com a humanidade; como se o Criador não tivesse começado a sua obra, como se Ele não estivesse promovendo a salvação e presente todos os dias entre nós.
As orações de muitos evangélicos mais parecem uma tentativa de lembrar a Deus do bem que Ele deve fazer (e aqui a imagem é ridícula!) do que uma conversa de alguém realmente grato com o Promotor da Vida; um dedo de prosa de quem confia no amor divino com o Grande Amável; um diálogo de alguém disposto ao serviço com o Deus que já deu todas as ferramentas para isso.
Nossa oração precisa confiar na verdade de que Deus já nos abençoou com todas as bênçãos! A questão, a pausa, a inércia não estão do lado de Deus! Ele já fez tudo! A expectativa, a resposta, a reticência esperam por mim e por você!
A pergunta não cabe a nós “cadê Deus?”; a pergunta é legítima na boca de Deus: “a quem enviarei?”
O que responderemos à pergunta de Deus?
Precisamos orar com o garoto da história nos dispondo a sermos as pernas e braços de Deus aqui na terra; precisamos orar com Isaías que depois do encontro com Deus disse “eis-me aqui!”.
Que grande privilégio, com o peso da responsabilidade, nós temos diante de Deus e da Terra de construir um lugar melhor para os relacionamentos, conjugar o verbo da ternura, abrir os braços da inclusão social, festejar as conquistas da humanidade, cuidar do nosso Jardim para os nossos filhos e netos.
Que Grande Parceiro nós temos (com a cara do nosso irmão), o próprio Deus que se envolveu até a carne e nos ensinou a responder em Jesus, o Homem-Deus que encarnou a responsabilidade, as profecias, a utopia do Reino.
Nossa oração precisa responder à pergunta de Deus: “cadê você, igreja?”. E o meu desejo é que nós como parte da comunidade de amigos respondamos em alto e bom som “como podemos ajudar, Senhor?”

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Comentário do Salmo 123

Salmo 123

A ti levanto os meus olhos, a ti, que ocupas o teu trono nos céus.
Assim como os olhos dos servos estão atentos à mão de seu senhor
e como os olhos das servas estão atentos à mão de sua senhora,
também os nosso olhos estão atentos ao Senhor, ao nosso Deus,
esperando que ele tenha misericórdia de nós.
Misericórdia, Senhor! Tem misericórdia de nós!
Já estamos cansados de tanto desprezo.
Estamos cansados de tanta zombaria dos orgulhosos
e do desprezo dos arrogantes.

O salmo 123 está contado entre os poemas de subidas que vai do salmo 120 ao salmo 134. Essa parte do saltério é também conhecida como cânticos de romagem/romaria, cânticos dos degraus ou cânticos de peregrinação.
Quer sejam poemas cantados pelos peregrinos a caminho de Jerusalém, quando subiam para o Templo na época das festas sagradas como dizem alguns; quer sejam cânticos cantados pelos exilados que voltavam da Babilônia a Jerusalém ou cantados pelos levitas sobre os quinze degraus que levavam ao Templo como dizem outros; ou…

“Pois nele vivemos, nos movemos e existimos.”

Em muitos arraiais religiosos eu percebo com pesar um esforço olímpico para que Deus se faça presente, se manifeste, mostre a Sua glória, como se Deus estivesse na tangência da Terra esperando o momento para entrar em cena!Deus não precisa ser invocado para se fazer presente. Deus a tudo e a todos envolve, em tudo e em todos transparece, de tudo e de todos emerge. Os teólogos dizem que é Ele é onipresente. Deus está totalmente envolvido com a história humana desde o seu nascedouro. Deus não está à parte do mundo, do lado de lá, distante. Convocar um Deus que é Todo-Presença é, no mínimo, contraditório.Deus está conosco, seu nome é Emanuel. Sua presença se dá de forma modesta, velada e silenciosa. Como o ar que respiramos sem nos darmos conta, Deus é o nosso fôlego; como o sol, que desde o horizonte clareia o meu quarto sem que eu esteja olhando para ele, Deus me renova; como a raiz que nutre a árvore, assim é Deus - a seiva da vida. A presença de Deus é a causa da nossa existência; só…

Deus não é perfeccionista.

No livro de Gênesis, na poesia da criação, há um refrão que o Criador repete de boca cheia ao contemplar a obra que havia feito: “Bom. Bom. Muito bom!”. A frase traduz muito mais um deleite, uma gratidão – festa da memória – do que uma constatação de ter alcançado a perfeição, o definitivo, o acabado. Reflita. O Criador conseguiria ou não aperfeiçoar os mares, o sol, as estrelas? Melhorar um pêssego? Se sim, as estrelas, o sol, os mares, o pêssego não são perfeitos, apesar de serem maravilhosos! Mas para Deus já estava bom. Não estava perfeito, mas Deus deu por encerrada a sua obra. E com gratidão. Lembre-se também da frustração de Deus com as decisões livres dos homens e mesmo assim sua estima, gratidão e esperança pela humanidade não se cansam. Quem sofre com o perfeccionismo não se deleita porque não consegue terminar o que está fazendo. Nunca se dá por satisfeito porque nunca alcança a perfeição. “Bom” para um perfeccionista é muito ruim. Para ele tem que ser perfeito. Daí seus d…